Inventário Florístico Florestal

Inventário Florístico Florestal é um documento técnico obrigatório para os pedidos legais de supressão de vegetação nativa em áreas florestais contínuas ou o corte de árvores isoladas, devendo ser realizado por profissional habilitado e com Anotação de Responsabilidade Técnica junto ao conselho profissional.

A coleta de dados de um Inventário Florestal pode ser realizado por amostragem da vegetação de características quantitativas, em áreas mais extensas, ou através de censo (inventário 100%), quando as dimensões e condições do terreno permitem o levantamento de todas as árvores, ou ainda para a contagem de árvores isoladas.

  1. Inventário Florestal para Licenciamento Ambiental: trabalho técnico realizado através do reconhecimento de fitofisionomias, levantamento das formas de vida botânicas, identificação de espécies com ênfase naquelas ameaçadas de extinção e avaliação de seu grau de ameaça in situ, aferição da espessura dos caules (fustes) e altura da comunidade arbórea, estimativa de volume de madeira, estudo da fitossociologia (espécies mais importantes) e enquadramento da vegetação nativa frente ao conjunto brasileiro de leis ambientais.
  2. Inventário Florestal para elaboração de Planos de Manejo Florestal Sustentável: nos mesmos moldes metodológicos dos inventários produzidos para fins de licenciamento ambiental, no entanto com ênfase na quantificação de madeira por espécie, levantamento dos recursos florestais não-madeireiros (cascas, resinas, óleos, frutos, sementes, cipós, entre outros) e identificação das espécies (ou indivíduos) imunes ao corte.

O Inventário Florístico Florestal produzido para fins de exploração sustentável de recursos madeireiros e não-madeireiros deve apontar os sítios da floresta onde ocorrem os volumes de interesse comercial das espécies cuja exploração seja legalmente permitida, além da disponibilidade de outros produtos florestais.

Os Planos de Manejo Florestal Sustentável devem prever, ao longo do tempo, rotatividade da exploração nos sítios identificados e métodos de retirada (ou “colheita”) de espécimes e produtos florestais que cause o menor impacto possível sobre a vegetação remanescente – levando a um verdadeiro uso sustentável dos recursos naturais, em conformidade com a legislação ambiental vigente.