O que fazemos
na área de carbono

Quantificamos carbono
absorvido/estocado

Quantificar carbono

A Projeto Ambiental possui ampla expertise na elaboração de inventários florestais para as mais diversas finalidades, como licenciamento ambiental e plano de manejo florestal sustentável, em áreas que alcançam, muitas vezes, os milhares de hectares.

Com atuação no mercado há mais de uma década e forte vínculo com pesquisadores acadêmicos de peso, utilizamos metodologias consagradas para a mensuração de florestas nativas, sendo os resultados obrigatoriamente submetidos a testes estatísticos de confiabilidade.

Para a quantificação do carbono contido nas florestas que medimos, empregamos a norma ISO 14064-3, atendendo aos critérios de selos ou standards internacionais – como o Verified Carbon Standard (VCS), desenvolvido no âmbito do Unitor REDD+ Project – atualmente aceitos pelas empresas certificadoras atuantes no mercado de carbono.

Assessoramos a emissão de títulos
e o acesso ao mercado de carbono

CPR Verde

A comercialização de créditos de carbono certificados, no Brasil, é realizada no chamado “mercado voluntário”, ou seja, empresas ou pessoas físicas interessadas em neutralizar emissões de gases de efeito estufa podem adquirir créditos de carbono, por meio de títulos financeiros com prazo de duração pré-determinado, como é o caso da Cédula de Produto Rural (CPR) Verde.

A emissão de CPR, no Brasil, ocorre desde a década de 1990, tendo sido instituída por força de lei (lei federal nº 8929/1994), conferindo segurança jurídica ao título financeiro. Trata-se de documento emitido pelo produtor rural, comprometendo-se em entregar determinada quantidade da produção (detalhada no documento), mediante pagamento antecipado, em preço combinado com o comprador (também detalhado no documento).

No caso da CPR Verde, específica para o mercado de carbono (criada por meio do decreto nº 10.828/2021), o “produto” é o carbono absorvido ou estocado na vegetação nativa, medido em toneladas. Com isso, abriu-se uma excelente oportunidade para proprietários rurais gerarem renda a partir da Reserva Legal, APP e outras áreas florestais presentes nos imóveis – e para qualquer interessado atuar ativamente na preservação florestal.

Após emissão da CPR Verde, os créditos de carbono estão aptos a serem comercializados em mercados de valores, como a B3, no Brasil, ou em bolsas internacionais. A oferta e negociação de créditos de carbono no mercado de valores, via CPR Verde, requer assessoria jurídico-financeira especializada – serviço viabilizado pela Projeto Ambiental por meio de escritórios especializados, que atuam como nossos parceiros no processo.

Quantificamos as emissões de gases
de efeito estufa

Gases do efeito estufa

Caso sua empresa, evento, ou mesmo pessoas físicas necessitem de quantificação da emissão de gases de efeito estufa em suas atividades, realizamos os cálculos de acordo com os escopos adequados, utilizando a metodologia desenvolvida no âmbito do Greenhouse Gas Protocol (Protocolo GHG) – em conformidade com o REDD+, incentivo desenvolvido no âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) para recompensar financeiramente países em desenvolvimento por seus resultados de redução de emissões de gases de efeito estufa provenientes do desmatamento e da degradação florestal.

Preservamos as florestas nativas e damos
retorno para as comunidades locais

Florestas nativas

Quer ver o que fazemos pelo meio ambiente e pelas pessoas?

  1. Preservamos florestas nativas que poderiam ser derrubadas para exploração da terra, pois o carbono contido nas árvores agora gera lucros.
  2. Restauramos terras degradadas para voltarem a ser ecossistemas naturais biodiversos usando espécies nativas.
  3. Aumentamos a retirada de gás carbônico (CO2) atmosférico com o plantio de espécies nativas de maior acúmulo de carbono, em projetos de restauração.
  4. Atuamos em todos os Biomas brasileiros, com ênfase na Amazônia e na Mata Atlântica, florestas tropicais de importância global.
  5. Desenvolvemos projetos socioambientais que inserem comunidades locais no contexto da preservação da floresta, em que a manutenção é mais lucrativa do que a derrubada, havendo uma troca de conhecimentos que é benéfica para todos.
  6. Fazemos isso porque acreditamos que a manutenção da floresta em pé e o fomento de atividades extrativistas sustentáveis geram desenvolvimento econômico para as comunidades locais e contribuem para o equilíbrio ecológico global.